Vende-se um homem.

Vende-se um homem.
Usado, porém, conservado.
Nunca mentiu, nunca traiu, nunca enganou.
Consciência limpa e sono tranquilo.
Não possui os vícios do mercado.
Ótimo para laranja, testa de ferro, bucha de canhão e bode expiatório.
Tratar aqui, por debaixo dos panos, em horários escusos.

Publicado em Por aí | Marcado com | Deixe um comentário

It´s alive!

Funcionando um Arrows F1 após 12 anos sem ligar.

Deve ter cheiro de MÁGICA no ar.

 

Publicado em Automobilismo | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Sebastian V. O irrelevante.

d11ita1639v

Quando ele despontou, todos lembraram de outra dinastia que havia dominado o reino por anos a fio. Desde o planejamento, passando pelos nobres, pelos serviçais e pelo companheiro de luta. Contra ele não havia chance, e mesmo que houvesse alguma esperança, o poder real logo caia com força sobre a cabeça do pequeno povo. Esmagador e brutal. O reino só valoriza o vencedor. A vida.

O momento é muito mais importante que a história. O mais jovem, o mais rápido, o mais desafiador. Mas não o mais querido. – Eu sou o novo rei, vocês precisam me amar!

Ao menos sua montaria, esta sim, era a melhor. Naquele curto intervalo de tempo onde são definidos vencedores e vencidos. Coroados ou desgraçados. A morte.

Envolver, dominar, destruir, conquistar. Quatro guerras vencidas sem nenhum arranhão. Apenas uma derrota e a fuga desesperada. Reagrupar, reconstruir, ousar. Mudar.

O que fez pelo reino, esquecido. Entre seus pares, indesejável.

Do touro ao cavalo, o rei está só.

Publicado em Automobilismo | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Desatento.

Olhei no relógio, meu bem,  já é ano que vem.

O ano da morte, mas tudo bem.

Pra quem não viveu ficar sem.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Individualismo coletivo.

b

A discussão sobre as ciclovias mostra o quanto a sociedade atual (sim, VOCÊ) é egoísta e preconceituosa. E burra.

“É meu direito, procure seus direitos”

Só conseguem conviver em sociedade pelo medo da punição.
A multa, o radar, a bica no retrovisor, a buzinada, a cadeia, o irmão dela, a culpa e a vergonha. As duas últimas caindo em desuso, obviamente.

Não sabem compartilhar coisa nenhuma, não têm a menor noção de civilidade. Preservam suas “fronteiras” com agressividade e determinação.

E ai de quem ousar cruzar esse sagrado limite imaginário e colorido com uma bandeira que não lhe agrade. A não ser que o estandarte do invasor seja temporário, transitório e altamente benéfico para você, claro. Aí, foda-se a ideologia, me dá essa tinta que eu te ajudo a colorir o novo amor.

Mesmo que a tinta não tenha sido licitada.

Publicado em Por aí | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Ciclovias paulistanas.

srvolante

Precisa mesmo?

O certo não era um respeitar o outro civilizadamente?

Não estamos trocando o senhor volante pelo senhor pedal, ambos lutando pela exclusividade de um espaço que deveria ser comum a todos?

Sobra tinta vermelha, sobra gasolina, falta educação.

 

Publicado em Por aí | Marcado com , , , | Deixe um comentário

McLaren Honda

Interessante documentário dos anos 90 mostrando algumas situações da equipe de F1.

E o som do motor Honda… ah, o som do motor Honda…

Publicado em Automobilismo | Marcado com , , , , | Deixe um comentário