Carta aberta a Michel T.

Venho por meio desta defender Michel.

Não vejo motivos para tantos gritos.
Michel é um cara que trabalha duro, quase sempre noite adentro,
inclusive participando de gravações que, cedo ou tarde, chegam aos nossos ouvidos.

Michel fala diretamente com o povo, tira dele as lágrimas e coloca os sorrisos de volta
em seus rostos sofridos.

É mais fácil ouvir Michel do que aquela que mal conseguimos entender o que fala.

Esperávamos algo mais daquele outro jovem promissor, mas que parece sempre esconder alguma coisa.
Entre bebedeiras, helicópteros, churrasquinho com azeite, não dá mais.

Sempre de cara limpa, falando do coração, às vezes Michel manda um tinto pra dentro, em busca de conforto e imortalidade. Não a do corpo, mas da alma. Ninguém é de ferro, oras.

Claro que a mala cheia de dinheiro ajuda a enfrentar esses tempos difíceis, mas não é dela que saem as palavras verdadeiras que tocam nosso coração.

Por isso, peço que as multidões que gritam seu nome sejam cada vez maiores.
Cada vez mais incisivas naquele uníssono “Mais um!”.

Michel Teló, beijo. Me liga.

Publicado em News | Marcado com , | Deixe um comentário

Vende-se um homem.

Vende-se um homem.
Usado, porém, conservado.
Nunca mentiu, nunca traiu, nunca enganou.
Consciência limpa e sono tranquilo.
Não possui os vícios do mercado.
Ótimo para laranja, testa de ferro, bucha de canhão e bode expiatório.
Tratar aqui, por debaixo dos panos, em horários escusos.

Publicado em Por aí | Marcado com | Deixe um comentário

It´s alive!

Funcionando um Arrows F1 após 12 anos sem ligar.

Deve ter cheiro de MÁGICA no ar.

 

Publicado em Automobilismo | Marcado com , , , , , , | Deixe um comentário

Sebastian V. O irrelevante.

d11ita1639v

Quando ele despontou, todos lembraram de outra dinastia que havia dominado o reino por anos a fio. Desde o planejamento, passando pelos nobres, pelos serviçais e pelo companheiro de luta. Contra ele não havia chance, e mesmo que houvesse alguma esperança, o poder real logo caia com força sobre a cabeça do pequeno povo. Esmagador e brutal. O reino só valoriza o vencedor. A vida.

O momento é muito mais importante que a história. O mais jovem, o mais rápido, o mais desafiador. Mas não o mais querido. – Eu sou o novo rei, vocês precisam me amar!

Ao menos sua montaria, esta sim, era a melhor. Naquele curto intervalo de tempo onde são definidos vencedores e vencidos. Coroados ou desgraçados. A morte.

Envolver, dominar, destruir, conquistar. Quatro guerras vencidas sem nenhum arranhão. Apenas uma derrota e a fuga desesperada. Reagrupar, reconstruir, ousar. Mudar.

O que fez pelo reino, esquecido. Entre seus pares, indesejável.

Do touro ao cavalo, o rei está só.

Publicado em Automobilismo | Marcado com , , , , , | Deixe um comentário

Desatento.

Olhei no relógio, meu bem,  já é ano que vem.

O ano da morte, mas tudo bem.

Pra quem não viveu ficar sem.

Publicado em Uncategorized | Deixe um comentário

Individualismo coletivo.

b

A discussão sobre as ciclovias mostra o quanto a sociedade atual (sim, VOCÊ) é egoísta e preconceituosa. E burra.

“É meu direito, procure seus direitos”

Só conseguem conviver em sociedade pelo medo da punição.
A multa, o radar, a bica no retrovisor, a buzinada, a cadeia, o irmão dela, a culpa e a vergonha. As duas últimas caindo em desuso, obviamente.

Não sabem compartilhar coisa nenhuma, não têm a menor noção de civilidade. Preservam suas “fronteiras” com agressividade e determinação.

E ai de quem ousar cruzar esse sagrado limite imaginário e colorido com uma bandeira que não lhe agrade. A não ser que o estandarte do invasor seja temporário, transitório e altamente benéfico para você, claro. Aí, foda-se a ideologia, me dá essa tinta que eu te ajudo a colorir o novo amor.

Mesmo que a tinta não tenha sido licitada.

Publicado em Por aí | Marcado com , , , , | Deixe um comentário

Ciclovias paulistanas.

srvolante

Precisa mesmo?

O certo não era um respeitar o outro civilizadamente?

Não estamos trocando o senhor volante pelo senhor pedal, ambos lutando pela exclusividade de um espaço que deveria ser comum a todos?

Sobra tinta vermelha, sobra gasolina, falta educação.

 

Publicado em Por aí | Marcado com , , , | Deixe um comentário