Outro olhar.

Aquele homem que se arrasta no canteiro central da avenida
não sabe de nada.

Fica por lá, com suas deformações e chagas.

Quem disse que eu preciso te ajudar?
A culpa não é minha.
Não inventei a paralisia, não te atropelei, não te abandonei quando criança, não fiz coisa alguma em que pudesse recair tal pena sobre ti.

Então, não me cause embaraço com essa cara de pedinte faminto e sem rumo na vida.

Não tenho culpa se você persegue aquilo que não é possível, aquilo que não é real.

Não faço milagres.

E arrume essa gravata.

Anúncios

Sobre lombardi13

Sobrevivendo a mim mesmo na Infernal São Paulo.
Esse post foi publicado em Por aí e marcado , . Guardar link permanente.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s